Lições Aprendidas

Download gratuito do e-book Drops de Sabedoria Indie contendo as lições reunidas de 2012 à 2014.

Abaixo estão listados os depoimentos de alguns jammers sobre as lições aprendidas. É importante aprender com a experiência dos demais para que possamos melhorar nas próximas edições.

Edição 2015

“Eu entendi a GGJ como um espaço para conhecer pessoas e fazer contatos. Na próxima edição, tentarei buscar mais este aspecto.”

“Tenha uma ideia concreta que caiba em 48 horas, não fique olhando demais pro pode.”

“O importante é se divertir.”

“Administração de tempo, trabalho em equipe e a importância do descanso.”

“Organização de projetos, como conviver com uma equipe para um trabalho sob relativa pressão, o quanto de cafeína seu corpo aguenta antes de te dizer que você está completamente louco.”

“Começar a desenvolver o jogo o mais cedo possível ao invés de ficar só na discussão e planejamento”

“Perca todo o tempo que precisar na hora de pensar no jogo pra fazer. Pegar a primeira ideia nem sempre é o ideal.”

“Dirigir o trabalho é bom mas participar de modo tangível também é.”

“Unindo as duas jams que participei na Unisinos, aprendi que a fórmula que funciona é a mais simples. Aprendi diversas features do GameMaker e seus códigos, e como eliminar redundâncias para agilizar a programação.”
“É importante não ficar sem tarefas, diminui muito a vontade de permanecer na jam. Outro ponto essencial é fazer um jogo que seja divertido, desafiador e que se tenha vontade de fazer; fazer um jogo somente por ser possível de ter algo concreto em dois dias é extremamente desmotivador.”

“Que sempre tem desafio mas que podemos superara-lós.”

“Trabalho em grupo.”

“Eu aprendi que da muito trabalho fazer um jogo, nunca havia feito… Pretendo voltar :D”

“Pense o suficiente: é importante não se jogar na primeira ideia de game design que o time tiver, mas também não fique pensando até sábado meio dia.”

“Teste rápido: fazer um protótipo é mais importante que ter a ideia do jogo em si. Com o protótipo da pra ter uma ideia de quão divertido vai ser o jogo, e o que mais precisa colocar pra ficar perfeito.
Corte sem discutir: Se o time concorda que não é importante pra experiência do jogo… corta fora e faz depois para a play party. Não perca tempo discutindo sobre isso. Se divirta: Não perca a cabeça, se você chegar ao ponto de ficar com raiva durante a jam, o seu time esta fazendo algo errado. Pare, de um tempo para esfriar a cabeça e depois volte a se divertir.”

“Keep it simple.”

“Não se limitar tanto pelo tema, a ponto de o jogo ficar chato. Acredito ser preferível fugir um pouco do tema e fazer um jogo mais divertido do que fazer algo sem graça mas fiel a temática.”

Edição 2014

“A importância da organização no trabalho em equipe.”

“Trabalhe bastante na etapa de pré produção, ela é uma das chaves fundamentais de um bom projeto, pois nela você vai poder discutir com seu time o que é é plausível de se fazer em 48h.”

“Converse com os outros jammers. Você nunca sabe quem pode se tornar um bom amigo ou um contato importante.”

“Organização de tarefas e planejamento”

“Planejamento é vital, mas não é tudo. Desenvolvimento de jogos é uma tarefa que envolve o balanceamento de diversos aspectos igualmente necessários e onde um desses falha, o resto tende a ser afetado com consequência.”

“Cooperativismo entre colegas e criação de escopos menores para a jam. Modelagem 3D é bem diferente de criação de sprites 2D, demora muito mais. E não se alimentar mal.”

“Cooperação e padronização de código”

“Aprendi a controlar o sono, saber quanto tu consegue trabalhar e a hora de parar. O trabalho em grupo, com pessoas diferentes. Compartilhar o código, os assets do jogo, juntar tudo e testar bem o jogo… Importante mas difícil em pouco tempo.”

“Um prazo é o principal fator motivador para um desenvolvedor.”

“No geral questões técnicas particulares, como uso de ferramenta e de funcionalidades. Ter maior domínio sobre a ferramenta com a qual o jogo será criada.”

“Levar cobertor mesmo que no primeiro dia esteja calor de 40º.”

“Organizar melhor as tarefas entre o grupo para não ocasionar em pessoas ociosas ao final.”

“Pensar melhor no design do level.”

“Sempre manter sua estação de trabalho organizada. Testar o design de níveis constantemente. Não ter apego a coisas relativamente desnecessárias para o bom andamento do projeto.”

“Conhecimento.Trabalho em equipe. Troca de experiência. Conhecer pessoal novo.”

“Achei importante para mim o fato de ter desenvolvido um game completo (apesar de terem faltado vários elementos não essenciais que queriamos colocar), algo que ainda não tive a oportunidade de fazer no meu curso.”

“Descansar mais entre os dias da jam e gerir a equipe de perto melhorias nas minhas habilidades de desenvolvimento no geral.”

“Trabalho em equipe e menos procrastinação”

“Aprendi que ainda preciso aprender a gerenciar melhor o tempo e a escolher melhor as ferramentas para aumentar a produtividade. Também percebi que não usufrui muito do ‘espírito’ da jam, pois fiz pouco muito contato com pessoas fora do meu grupo.”

“Deixar para polir o jogo apenas no final não dá certo.”

“Quanto mais pessoas precisam participar de uma tomada de decisão, pior.”

“É importante chegar na jam já sabendo usar as ferramentas. No nosso caso, o Construct foi um salvador. Tivemos um ótimo resultado mesmo sendo a primeira utilização da ferramenta.”

“Estudar mais uma ferramenta antes de topar o desenvolvimento nela, comprar ainda mais energético e fazer um grupo maior no ano que vem.”

“Não é preciso um grande grupo pra fazer algo legal, apenas um grupo organizado e empenhado. Na hora de pensar no seu jogo, leve em conta o tempo e o pessoal disponível, não que a ideia não esteja boa, só que produzir Super Mario World em 48H com apenas 1 programador e nenhum animador no grupo é meio difícil. Gaste um tempo para organizar as tarefas de cada um. Saber o que se tem pra fazer impede você de ficar de bobeira sem estar produzindo nada.”

“Organização constante, trabalho em equipe constante e comunicação CONSTANTE são extremamente importantes para um grupo sobreviver a uma JAM. “doc compartilhado no gmail ajuda pra caramba.”

“Trabalhar em grupo é uma tarefa complexa, mas que pode ser muito gratificante se você souber ouvir e respeitar a opinião dos outros.”

“Organização das tarefas na equipe é fundamental. É possível fazer um bom jogo nas 48h.”

“Organização da equipe é um dos pontos chaves do evento. E não tentar fazer um projeto maior que o grupo pode aguentar.”

“Organização do tempo e pipeline de projeto foi um grande aprendizado, especialmente por que uma boa organização auxilia, e muito, na criação e na criatividade do grupo.”

“Que é possivel fazer um game com apenas 3 pessoas, que é sempre muito importante pensar muitas vezes no tema e rascunhar antes mesmo de começar.”

“Trabalho em equipe. Troca de experiência. Conhecer novas pessoas.”

“Como liderar um time, trabalhar com o prazo curto sem frustraçao, lidar com estresse físico, cooperaçao com outros times e a competitividade saudável.“

“Cooperação, empreendedorismo, decisões e profissionalismo, passamos por tudo isso e conseguimos vencer no final!”

“Não ter medo de fazer as coisas e arriscar. Planejar melhor o projeto e a divisão de tarefas.”

“Aproveitar o máximo do tempo que estiver acordado, disposto e bem alimentado para produzir, e quando um desses não estiver certo, os corrija.”

“Ter a organização em equipe assim conseguimos fechar o jogo.Trabalhar com um grupo de pessoas diferentes, ganhando novas experiências.Conhecer o trabalho das outras pessoas.”

“Um tema que a princípio não permitiu meu time inovar o quanto gostaríamos, nos permitiu focar em criar um jogo puramente divertido, fugindo um pouco do tema e deixando ele apenas como pano de fundo. Foi a 1ª vez que optamos mais pelo fun game design ao contrário do costumeiro conceitual que fazíamos anteriormente.”

“Trabalho em equipe e método de desenvolvimento do projeto como um todo.”

“Utilizar controle de versão na próxima vez e dividir as tarefas de forma mais organizada.”

“Aprendi que é difícil chegar a decisão de um tema com grupo muito grande e que é mais difícil fazer um jogo com um grupo pequeno, ainda mais com apenas um programador. Tomei como lição ter mais programadores na equipe, pois é a área mais trabalhosa do jogo e talvez ter alguns templates de jogo pronto, facilitando o desenvolvimento e tendo tempo para terminar e polir o game.”

“Agilidade”

“Aprendi que é possível até aprender uma ferramenta nova durante um pequeno espaço de tempo e também que alimentação e dormir é importante, pois nessa jam eu pude almoçar comida e dormir umas 5 horas por dia, não estava tão cansado quanto em outras jam’s.”

“Se o jogo não está pronto até o anoitecer de sábado, parta para o plano B: Finalizar como está!
Trabalhar em etapas, dividir o trabalho para que outros componentes do grupo não fiquem parados, combinação de horário para repouso de TODOS exatamente com o mesmo tempo de sono de descanso.“

“Trabalhar em grupo; Saber organizar e gerenciar o projeto; Humildade.”

“Organização, organização e mais organização! Com uma boa organização o projeto pode melhorar 10x. E foi isso que compreendi nestas 48h.”

“Criar um jogo em 48 horas. Trocas de experiências. Podemos aprender muito com pessoas que não conhecemos. Trabalho em equipe sempre é importante.”

“Foco, escopo, trabalho em equipe.”

“Gambiarra corre solta.”

“Ao desenvolver uma ideia em tão pouco tempo é importante entender a capacidade de produção do grupo e, também, definir se o produto vai ser um experimento ou algo perto de um game, pois o resultado dessa maratona pode atender às expectativas ou pode trazer frustrações.”

“Distribuir bem as tarefas é algo muito importante trabalho em equipe,processo de criação de um jogo, manejamento de tempo, e que é importante descansar, buscar referencias, e pedir uma opinião é sempre importante.”

“Ser mais organizado, dominar mais a engine e montar uma equipe com pessoas q contenham conhecimentos específicos.”

“Participei de um projeto em uma equipe relativamente grande (11 integrantes); aprendi muita coisa de Unity (ferramentas 2D, animação 2D).”

“Trabalhar em grupo, organização para criar um game em pouco tempo, decisões que devem ser tomadas rápidas e lidar com desconhecidos.”
“Trabalho em equipe, organização, lidar com prazos e trabalhar sob pressão. Conhecer novas pessoas do meio, networking.”

“Muito integrantes na equipe com pouco entrosamento vão resultar um jogo com pouca unidade.”

“SVN é muito importante; Cafeína faz falta.”

“Conhecer pessoas também faz parte de uma game jam.”

“Administração de tempo e pessoas.”

“Trabalho em equipe”

Edição 2013

“Leve o desodorante. Falando sério, A GGJ pra mim serve pra começar um projeto, reunindo as pessoas pra trabalhar, visto que é o mais difícil. Depois que começou, tudo começa a fluir desde que o grupo se organize.”

“Aprendi mais experiência do que novas ou melhores habilidades. Em suma, ganhei mais confiança no meu trabalho e no desenvolvimento por requerimentos e prazos. Testei o desenvolvimento em cascata (waterfall) e decidi não usá-lo no futuro por evitar a iteratividade, testes rápidos e alinhamento do grupo. Aprendi que nem todo mundo acha todas as funções igualmente importantes, alguns podem achar o músico desnecessário, outros o game designer e acumular e dividir entre Programadores e Artistas apenas.”

“Aprender a lidar com um escopo pequeno e focar nas metas determinadas dentro de prazos curtos.”

“É tantas coisas que aprendemos que no final, o jogo é o que menos importa. Trabalho em equipe, dedicação, diversão (fundamental) e: Don’t Panic

“Trabalho em equipe e o ponto principal do evento, sem contar que uma organização, boa divisão de tarefas também é essencial, pensar em coisas muito grandiosas, não é viável pela falta de tempo, mesmo que a história/enredo seja muito cativante, ferramentas são necessárias e devem ser usadas, achar que pode fazer um jogo funcional em 48hrs tendo apenas um conhecimento, mesmo que seja vasto, de alguma linguagem em especifica não irá trazer nada de aditivo para o grupo, conhecimento e domínio de engines, ferramentas de arte e áudio, são essenciais para que o objetivo final, um jogo funcional, esteja completo depois de decorrida as 48hrs”

“Quanto maior e mais bem-estabelecida a equipe, melhor o jogo.”

“É muito cansativo. A equipe é importante pra motivar a não desistir.”

“Terminamos nosso jogo! Até estou pensando em tocar eu mais um programador como hobby de final de semana: refinar um pouco os menus e tutoriais, fazer mais fases e botar no Kongregate, porque os assets estão todos prontos e o jogo funciona bem. Além disso, tive a chance de trabalhar com game design, assunto que confesso não ter muito conhecimento, e me diverti muito! Só tenho a agradecer a vcs por esse presente. Obrigado!”

“Trabalho em equipe; planejamento de um jogo; organização da equipe (espaço e tarefas); interação entre os participantes das diversas equipes; aprendi algumas coisas sobre o GameMaker também.”

“Creio que a Global Game Jam não tenha nada haver com competição, com quem faz o melhor jogo ou com quem é melhor que alguém. Para mim, o grande propósito da GGJ é fazer algo legal e se divertir fazendo isso.
E caso não dê certo, o esforço não foi em vão, muito foi aprendido nesse tempo e provavelmente você irá fazer melhor na próxima.”

“Levar uma equipe pronta acredito que deixa as pessoas mais aliviadas. Mas admito que curti trabalhar com pessoas desconhecidas, apesar de algumas mais atrapalharem que ajudarem. Em um prazo tão curto, as criticas e desgostos são deixados de lado e o que só importa é terminar. Aprendi principalmente que primeiro se deve garantir os recursos (local, comida, higiene) e depois partir para o trabalho.”

“Que uma noite mal dormida atrapalha demais no meu rendimento. Que seria bom se preparar melhor um pouco melhor pesquisando antes que ferramentas podem ser úteis. Que level design muitas vezes é o segredo do sucesso”

“Dormir é fundamental, acabei dormindo muito pouco e acho que isso me prejudicou no desempenho. Não se prender a detalhes. Faça primeiro a parte bruta, depois começa a polir o projeto. Da próxima vez, levar comida, ou então um cozinheiro no grupo. Porque passar dois dias a base de salgadinho, bolachinha, refrigerante e café, é bastante complicado.”

“Que ter um desenhista é muito importante para que o projeto fique bonito, que designers também são importantes, que por mais ocupado que as pessoas estejam elas estão interessadas em ajudar outros jammers (no nosso caso do playtest) e que dormir é para os fracos :)”

“Aprendi que uma boa ideia pode demorar a surgir, mas que devemos insistir em pensar fora da caixa.
Aprendi a ser adaptável e sempre explorar alternativas. Aprendi que todo conhecimento é válido, uma hora ou outra você utilizará as coisas mais improváveis que você já aprendeu. Como o Jobs disse: “Os pontos vão se conectar.” Aprendi tanta coisa que nunca conseguiria expressar aqui, obrigado.”

“No caso de formar uma equipe na hora, faça com quem você conhece. Não conhecendo os membros você não sabe à quem dar ouvidos. Tem gente que só tem lábia e quando chega na hora não sabe fazer.”

“O trabalho em grupo, dar ideias, compartilhar códigos, programar junto, isso é muito legal e dificilmente eu faço isso em dias normais. Tu poder falar e ter ideias, sem se preocupar, poder aproveitar até as brincadeiras, ninguem ali está exatamente errado. Há liberdade, e com simples bom senso, dá pra se divertir e produzir muito, diferente das minhas experiências de vida anteriores. E também aprendi que devemos prestar atenção no sistema de organização e compartilhamento de código, para não criarmos diversas versões erradas do jogo…Isso é realmente prejudicial. Mas o fato de trabalhar em grupo em sim, é bom.”

“Trabalho em equipe, conversa (em que todos sejam ouvidos) e flexibilidade. Ter uma pessoa na liderança é bom, o problema é que normalmente todos querem se sentir na liderança, e é aí que acaba o trabalho em equipe.”

“Tenha um backup / plano reserva; É importate fazer brainstorm, e mais importante ainda, definir um objetivo fécil de alcançar (se for o desejo do grupo)”

“Com um trabalho de equipe bem organizado e confiando nos seus colegas, pode-se fazer algo muito bom em pouco tempo.”

“Principalmente a troca de experiencias entre os jammers.”

“Que é necessário uma organização bem estruturada antes de se iniciar um projeto.”

“Nada”

“Organização, agilidade, mas simplicidade acima de tudo. Não adianta vislumbrar um imenso projeto se não há tempo adequado para tanto. Uma grande ideia pode começar na GGJ e depois ela pode ser polida.”

“A lição que tiramos deste GGJ foi a de que, se você gosta de fazer jogos não importa se você chega ou não lá, o importante mesmo é se esforçar ao máximo e disser no final eu sou um Jammer. É quase como ter orgulho de desenvolver jogos apenas pelo prazer de desenvolver.”

“Foi uma experiência sensacional e singular. Conhecer pessoas, aprender cowork na marra e ter 48 horas para entregar um jogo não foi uma tarefa fácil. Espero poder participar das próximas e que mais jogos brilhantes saiam de lá.”

“Temos que cuidar os animos dos participantes, que a qualquer momento podem entrar em colapso. Sem chance de trabalhar 48 horas seguidas.”

“Não que seja lição, mas usei ferramentas que não havia usado ainda para o nosso jogo e isso me fez ter muitas ideias para projeto particular.”

“O ponto-chave é Trabalho em Equipe. Pude experienciar e interagir com desenvolvedores de outras áreas, como artistas e designers(no caso em que sou programador), e mesmo pude aprender com outros programadores. E, novamente, a questão de Projeto. Desenvolver um projeto e detalhar o que deve ser feito é muito importante, pois várias coisas tiveram que ser feitas às pressas no final pois tínhamos “esquecido” delas.”

“Gerenciamento do tempo, convivência com outras pessoas/grupos, liberdade de ideias para criação dos jogos, possibilidade de conhecer novas pessoas com interesse mútuo.”

“Trabalho em equipe, dedicação e sempre antecipar o mais importante.”

Edição 2012

“Deadline. Planejar-se. Administrar bem o (pouco) tempo que se tem. Comida e sono são para os fracos. Board games se controem durante o playtest e não durante o brainstorm. Por mais idiota que pareça uma idéia não ignore-a pois ela terá alguma utilidade um dia. Regras são muito dificeis de se escrever em grupo, especialmente quando são em inglês. Todos tem um papel fundamental no processo de criação do jogo.”

“Não acredite que estará pronto, mas também não acredite que não estará pronto. E como disse Bilu, o ET brasileiro, ‘busquem conhecimento’.”

“Dormir é importante, organização e saber os limites.”

“Bom, entrei sem ter noção em como programar games. Pude pegar uma boa parte desse aprendizado, que irei fortalecer no pós evento.”

“Administração do tempo; Ter uma equipe com funções previamente delegadas (quem vai fazer o que no projeto do jogo); Nem tudo que foi planejado será feito; A ideia tem que ser simples para poder ser finalizada.”

“Aprendi muito sobre trabalho em equipe, pois se você não tem esse requisito, não tem organização no time, e portanto não há o andamento do projeto.”

“Cooperação e determinação.”

“Aprendi que é importante como lider saber gerenciar melhor a equipe. E só reforçou a ideia do quão importante é o playtest de um jogo de tabuleiro. Passamos o sábado inteiro no processo de prototipagem e playtest, e foi fundamental para o jogo evoluir.”

“Coisas sobre oroborus e mitologia. E uma ideia geral de como funciona o processo de desenvolvimento de um board game.”

“A ideia do jogo deve ser concebida por pouca gente. O jogo não deve ser modificado demais depois de ser aprovado. É preciso que todas as ideias passem pelo designer do jogo antes, ou se não a proposta do jogo acaba se perdendo.”

“Organização de projeto, tentar visualizar o projeto final antes de começar a fazer, pra ver se ele realmente é viável.”

“Em poucas palavras: Cooperação e organização reinam.”

“Pessoalmente, cada um molda sua experiência e se limita como quiser, de acordo com suas micro decisões (dormir ou não dormir, se exceder ou fazer simples etc). Afinal, qualquer proposta é válida se considerar o processo das 48 horas como sendo o maior valor. Vejo o evento de uma forma mais ampla e como possível de extrapolar em várias direções. Como exemplo usar ele para testar uma ideia ou moldar uma experiência mais alternativa.”

“Fazer um jogo é bem mais complicado do que parece. Trabalho em equipe é fundamental.”

“Uma equipe com participantes de mais não significa conteúdo, mas sim muita discussão e pouco sono, mas também, uma equipe grande é muito divertida xD.”

“Trabalho em equipe, o que é possivel de se fazer, medir melhor as possibilidades.”

“Nunca mais participar em uma equipe que não tenha feito algo juntos alguma vez (todos os membros, e não apenas um ou outro), muitas discussões desnecessarias ocorreram”

“Trabalho em equipe; Tomar café com energético.”

“Não tente fazer um jogo de uma semana em 48 horas.”

“Desenvolvi muito a habilidade de trabalho em equipe, assim como a habilidade de trabalhar com um prazo mínimo. Faltou organização em meu grupo, mas aprendi a “improvisar” quando dado o caso. Foi uma experiência muito importante para mim.”


Uma opinião sobre “Lições Aprendidas

    Relatório e lições aprendidas « UNISINOS – Global Game Jam disse:
    28 de Fevereiro de 2012 às 16:41

    […] Lições Aprendidas […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s